Médico naturalista ensina…. Não deixem de ler.

Muito interessante!!!!! E simples, para quem não gosta ou não tem tempo de fazer exercícios físicos diariamente!!!!
Um médico naturalista estava muito triste porque participou de congressos e, embora comprovados, os resultados não eram divulgados, como ele disse ‘NÃO DÁ IBOPE”. Então ensinou a fazer um exercício simples que evita problemas cardíacos.

1º. Antes do banho, exercitar a panturrilha (levantar o corpo na ponta dos pés), primeiro rápido até esquentar as panturilhas e depois uma sequência de 10 movimentos lentos. Pronto. Esse exercício bombeia o sangue para o coração, melhora os batimentos cardíacos e evita obstrução das veias. Nos primeiros 6 meses, se a pessoa estiver com excesso de peso, ela emagrece da cintura para baixo e, nos 6 meses seguintes, da cintura para cima; depois de 2 anos, não engorda mais e, alem de tudo, diminui o risco de uma cirurgia cardíaca que custa em média, hoje em dia, R$ 38.000,00 e, de um modo geral, os planos de saúde nem sempre pagam.

Melhora o problema de micro varizes
2º. Ao chegar em casa, coloque os seus pés em uma bacia com água bem quente (o famoso escalda pés – alem de relaxar, esse processo desencadeia a dilatação dos vasos sanguíneos dos pés, melhora o cabelo e melhora, inclusive, a visão. Esse processo foi pesquisado com pessoas diabéticas e o resultado evidenciou a melhora na circulação sanguínea, diminuindo os casos de gangrena, o quadro geral de saúde dos pesquisados melhorou, e como um fato relevante, a melhora da visão.

Evita o encurvamento da coluna
3º. Ao acordar, deitado de barriga para cima pedalar 120 vezes no ar. Esse exercício melhora o posicionamento da coluna e da postura, diminuindo ou retardando o encurvamento das costa e aliviando as dores nas costas.

Baixando a pressão
4º. Ao perceber que a pressão subiu, coloque as pernas dentro de um balde com água muito gelada até os joelhos. Permaneça nesta imersão por 20min. Este processo fará com que o organismo, na busca de aquecer os membros inferiores, faça com que o acúmulo de sangue na cabeça desça, baixando a pressão.

Enviado pela leitora Laine Toledo

 

O que é Felicidade? O que é ser Feliz?

Se não a parada para uma Boa Leitura
* A Leitura de Si Mesmo
* A Leitura da Vida
* A Leitura de um Bom Livro !”

Enviado por Maria Chantal Amarante

 

A hora certa de tomar água
Enviado pela leitora Rosana Lima

Sabia que tomar agua na hora correta maximiza os cuidados no corpo humano?
2 copos de água depois de acordar ajudam a ativar os órgãos internos.
1 copo de água 30 minutos antes de comer ajuda na digestão.
1 copo de água antes de tomar banho ajuda a baixar a pressão sanguínea.
1 copo de água antes de dormir evita ataques do coração.

 

CORRENTE DO ELOGIO
Almira Lima

Já elogiaste alguém hoje????? SIM??? Parabéns!
NÃO??? Quem sabe agora ???
Se queres melhorar um relacionamento…
Descobre um ponto positivo e ELOGIA…
Com todo o teu coração
Observa então como tu te sentes
E como se sente a pessoa elogiada…!
Quem sabe possas fortalecer uma bela
CORRENTE DO ELOGIO ???
Em tua família? Em tua escola? Em, tua empresa?
Em tua comunidade?
Pela Internet???
Quem sabe começa também a TE elogiar????
A te olhar no espelho e dizer:
“EU TE AMO” ???
Sempre antes da critica…ELOGIA algo,
Por pequeno que seja e verás o efeito cascata…
Te acostuma a em teu caminhar ir deixando rastros de LUZ, de GENTILEZA…
Quem sabe mesmo de AMOR e SOLIDARIEDADE? QUEM SABE…???? !!!!

 

A VIDA É TÃO PRECIOSA…

Almira Lima

*A VIDA é tão preciosa…Precisamos vivê -la em cada dia com muito AMOR, RESPEITO e ALEGRIA.
Temos uma MISSÃO a cumprir…
*A VIDA é tão preciosa…
Para pressas anestesiantes que mascaram ansiedades e medos.
Temos uma MISSÃO a cumprir…
*A VIDA é tão preciosa e precisamos estar atentos as suas possibilidades…
Temos uma MISSAO a cumprir…
*A VIDA é tão preciosa…
Não podemos brincar com ela e a arriscarmos
Com atos impensados…
Temos uma MISSÃO a cumprir…
*A VIDA é tão preciosa que precisamos AGRADECER por tudo e por todos e por poder voltar para casa à noite…
Temos uma Missão a cumprir.
MISSÃO…??? EVOLUIR COM CONSCIÊNCIA…!!!.

 

Álbum de figurinhas

Tudo começou com um álbum de figurinhas da Copa. Eu, professora de educação física, não poderia ficar de fora de tamanha mobilização.

Quando me dei conta, estava completamente envolvida pelas trocas que elas proporcionavam. Não era apenas troca de figurinha por figurinha, mas era uma troca de momentos com amigos, encontro pra um café, um almoço, uma tarde no shopping, alunos e professores, alunos e alunos. Eram trocas de histórias de vida, culturas, orientações… Tinham que combinar quais regras regeriam aquele momento: 1 figurinha por 1 figurinha, pegar quantas precisar, brilhante por 5, brilhante por 1 real… Com tanta gente colecionando e precisando de figurinhas, pensamos numa maneira de manter todo mundo ligado e mandando as figurinhas pra quem precisava. Criamos uma lista com nome e figurinhas faltantes e enviamos por email pra todo mundo que sabíamos que estava colecionando.
Diariamente recebia notícias do tipo: “tenho 10 figurinhas pra fulano e 5 pro seu aluno, quando vem pegar?” e assim foram dias e dias trocando figurinha, vendo amigos, levando no escritório dele, recebendo de gente que eu nem conhecia e repassando pra todo mundo…
Um dos momento mais marcantes foi quando Pedro, de 11 anos, me disse: “Professora, a Carol só precisa dessa figurinha pra completar o álbum. Eu vou dar essa pra ela, depois eu consigo outra pra mim.” E voltei pra casa pensando em que outro momento poderia ter ensinado tão preciosa lição…
Emocionante também foi o momento em que um grupo de alunos, que estavam num encontro on-line com colegas da Escola da Ponte, de Portugal, descobriam que os álbuns eram os mesmos e se propuseram a trocar figurinhas pelo correio, até descobrirem que o caminho daqui até lá demoraria mais de 1 mês… E concluíram que, com certeza, conseguiriam essa figurinha nesse tempo, porém, estavam dispostos a mandar ou pedir, caso alguém precisasse. Enfim, outro aprendizado importante pra vida deles.
O comentário mais engraçado foi: “Naty, hoje comi 20 pacotinhos de figurinha”, depois que sai de um barzinho com minha amiga Ale… Era incrível a capacidade dessas figurinhas de regularem o nosso comportamento naqueles dias.
Convencer as crianças a colecionar o álbum foi tarefa fácil, difícil foi convencer os pais. Com a minha prima não foi diferente, mas comecei a colecionar pro Luiz Otávio (5 anos) e pra Marina, minha afilhada de 2 anos. Até que um dia minha prima me disse que o Luiz Otávio quis escrever “Copa do Mundo” inspirado no álbum. Quando ele completou o time da Alemanha, comentou: “Naty, esse time não é a Alemanha. E eu afirmei: “É sim…” E ele respondeu: “Não é não, esse time começa com a letra D!” Ele tinha razão, mas não sabia que no álbum o nome dos times estavam em inglês. Sensacional ouvir isso de uma criança quase alfabetizada, mostrando o quanto uma atividade prazerosa ajuda nos ensinamentos passados pela escola.
Ao completarem seus álbuns algumas crianças vieram doar suas repetidas, afim de que outros álbuns pudessem ser completados. “Professora, leve essas figurinhas e veja na sua lista que precisa”. E, neste ponto, percebi como estava sendo importante tudo isso pra eles. Não poderia deixar o movimento perder força.
Tinha gente de todo jeito: crianças, adultos, avós fazendo pros netos, pais fazendo pros filhos, médicos, advogados, juízes, gêmeos, meninos, meninas, alunos de escolas públicas e particulares… A figurinha colocou todo mundo na mesma condição, a moeda de troca era a mesma e todos podiam dar e receber. E, exatamente nessa condição que está o que mais me encantou dessa história. Seria simples eu mesma concluir o que de bom isso trouxe às crianças, mas prefiro que elas mesmas digam o que sentiram:
“Eu acho que o espírito de equipe ajuda em várias ocasiões, principalmente onde há vários amigos unidos com o mesmo propósito: ajudar o próximo” (Carolina, 13 anos).  “Eu achei muito legal, a Naty me deu figurinha pra completar o álbum e eu gostei que o Victor também completou” (Luis Gustavo, 7 anos). “Eu achei muito legal e eu agora agradeço às pessoas que me ajudaram” (Felipe, 7 anos) “É muito legal trocar figurinhas, a gente dá um tanto que a outra pessoa precisa e recebe várias em troca” (Vitor, 7 anos). “Se eu tinha 2 figurinhas, eu dava essas 2 e recebia quantas eu precisasse. Eu ajudei meus amigos e outros também me ajudaram. Não importa a quantidade” (Leonardo, 9 anos).
Foram quase 100 álbuns completados com essa brincadeira. Mas isso não importa. O importante é a lição que isso deixou na vida de cada criança. Não importava se ela tinha muitas ou poucas figurinhas, o importante é que ela estava inserida no contexto e era capaz de interagir com outras pessoas, conhecidas ou não.
As aulas retornaram e, qual não foi minha surpresa, no 1º dia, 3 alunos vieram e me entregaram as figurinhas, com o mesmo discurso: “Professora Naty, completei meu álbum. Você ainda tem aquela listinha?”
E continuarei repassando as figurinhas pra quem precisa. Orgulhosa dos meus alunos e da superação que cada um teve. Hoje em dia não é fácil dar sem receber nada em troca. Eles se acostumaram a apenas doar, e receber naturalmente em troca, sem ansiedade ou tensão . Que essa lição perdure, por muitas Copas.

Enviado pela leitora Maisa Misiara

 

 

O DOCINHO DA FORMIGA

Marlene B. Cerviglieri

Num dia muito lindo, de sol e céu azul o formigueiro todo trabalhava avidamente, pois logo chegaria o inverno e tempos difíceis. A mamãe formiga trabalhava e cuidava também de suas formiguinhas, tinha muitas delas, mas uma era muito danadinha. Sempre se metia em encrenca e confusão, pois se afastava do formigueiro, de tanto que gostava de tudo saber. Todos sabemos que é muito bom saber das coisas, mas quando somos pequenos devemos sempre ouvir os mais velhos, principalmente a mamãe, o papai, a vovó e o vovô.
– Por que?

– Ora, eles sabem das coisas! Já aprenderam antes e naturalmente vão passar para os menores.

– Bem, voltando à formiguinha Bibica, era assim seu nome,gostava muito de mexer em tudo e, às vezes, tentava carregar folhas bem maiores que ela, e conseguia, porque a formiga tem muita força.
Até ai a mamãe dela não se preocupava,mas sim com o que ela comia. Sempre estava dizendo para Bibica comer menos açúcar. Era demais como gostava de docinhos, coisas doces como dizia.

Uma tarde viu no chão umas bolinhas, comeu uma e gostou muito. Eram docinhos e foi comendo, comendo, comendo… De repente não viu mais nada, só ouvia sua mamãe chamando muito longe… Ficou assim por muito tempo. Quando finalmente conseguiu acordar já havia passado um dia inteiro.

– Bibica, disse a mamãe, que te sirva de lição formiguinha danada! Nem tudo que é docinho se pode comer! Você precisa aprender a ver e saber o que põe na boca, formiguinha danada.Não sabe o trabalho que deu, pois comeu remédio de humano. Sempre que for comer alguma coisa precisa saber o que é. Às vezes os humanos jogam remédio para nós comermos e aí é o fim! Aprenda Bibica, só coma aqui no formigueiro que é a sua casa.

Ouvindo a história toda, Luisa arregalou os olhos e disse:
– Mamãe eu só vou comer aqui em casa e nunca vou querer o docinho da formiga.
– Isso mesmo filhinha, também para comer tem que se aprender.
Agora vamos descansar um pouquinho, e não pensar no docinho da formiga.
Com histórias simples se pode evitar muitos acidentes!

 

Upanishad

Não percebi, a principio,o momento em que transpus o limiar desta vida. Que força foi essa que me fez despontar,neste imenso mistério,como um botão de flor numa floresta à meia-noite?

Quando, pela manhã, olhei para a luz senti logo que eu não era um estrangeiro neste mundo; que o insondável, que não tem nome nem forma, me tomara em seus braços sob a forma de minha mãe.

Assim também, na morte, o mesmo  Desconhecido há de aparecer-me, como alguém que sempre conheci. E porque eu gosto desta vida, sei que também gostarei da morte.

A criançinha, quando a mãe a retira do seio direito, chora, para logo depois achar no seio esquerdo o seu consolo.

TAGORE, Rabindranath, Gitanjali; Rio de Janeiro: José Olimpio, 1948, 4ª Ed., poema 95, pp. 110-1

 

Como ser Feliz o tempo todo

É mais fácil gastar do que ganhar. É mais difícil economizar do que ganhar. A maioria das pessoas gasta mais do que ganha. O dinheiro extra vem pelo empréstimo ou pela compra com promessa de pagar no futuro. Você não precisa “estar sempre à altura dos vizinhos”. Tentar adquirir mais do que seu bolso comporta é viver em constante agonia mental.

Gastar mais do que se tem é submeter-se à escravidão perpétua.

Juntamente com a arte de ganhar dinheiro, convém aprender a de economizá-lo. Uma renda considerável não será para você um bem duradouro se só criar hábitos de luxo, sem nenhuma reserva. Pense por um instante: caso fique doente de súbito, como sobreviverá sem seu salário se não tiver economias? Má coisa é cultivar hábitos de luxo quando se tem apenas um pequeno ordenado. Não seria melhor viver com simplicidade e frugalidade, gozando da riqueza autêntica? Você deve usar um quarto de seu ganhos para as despesas costumeiras, economizar três quartos e, assim, ficar com a mente tranqüila, sentindo-se em segurança para o futuro.

Reserve o que ganhou honestamente, não o desperdice em jogos nem o perca tentando “enriquecer depressa”.

A felicidade pode ser obtida pelo exercício do autocontrole, pelo cultivo de modos simples de vida e pelos pensamentos elevados, gastando-se menos mesmo quando se ganha mais. Esforce-se para ganhar mais a fim de ajudar os semelhantes e ajudar-se a si mesmo.

Paramhansa Yogananda

 

 

Pensamento Criador

Publicado no STUM – por Maria Cristina – tinatanajura@terra.com.br

Pensamos e criamos. Uma verdade que se torna sempre mais difundida, porém, que temos ainda dificuldade de levar a sério. Como tudo que é verdadeiro, não interessa se acreditamos, ou não. O resultado é o mesmo e as conseqüências de não nos adequarmos, também. Se quisermos viver em paz, se desejamos ser felizes, precisamos afastar do pensamento as crenças negativas, as sugestões mentais sombrias, ou jamais chegaremos a alcançar o que almejamos. Muito do que chega à nossa tela mental não é nossa criação, mas foi por nós atraído, por sintonia. Precisamos ficar atentos e só guardar o que é bom e pode nos ajudar. Cenas depressivas que nos reportam a um passado sofrido não precisam ser revividas. Sugestões de medo e desânimo devem ser identificadas e substituídas por novas idéias, mais construtivas. Podemos fazer isto, se nos tornarmos observadores de nós mesmos, quando perceberemos como espectadores, o que está se passando conosco.

No mundo astral, livres do corpo material, os seres plasmam ou criam o que precisam, com a força da mente e da vontade. Aqui onde estamos, isto também acontece, embora muitas vezes não tenhamos a consciência do que está se passando. Se vivo a ter medo de ficar doente, certamente estou criando em minha mente uma imagem de mim sem saúde e ajudando o mal a se instalar. Quando me preocupo com alguém ou com alguma coisa, estou fortalecendo os acontecimentos que temo… Ao invés de estar lidando com o que me acontece agora, que posso resolver, modificar, muitas vezes me pego imaginando o que ainda nem chegou, mas nesta de pensar nisto, estou, sem querer, facilitando que aconteça.

No mundo material em que ainda vivemos, mesmo que tenhamos de nos esforçar muito para construir algo, só o conseguiremos se antes tivermos imaginado o que gostaríamos de fazer. Pensamos em uma coisa, em seus detalhes e depois trabalhamos para que ela se materialize. Seremos bem, ou mal sucedidos a depender de nossa programação correta, ou não, e de nossa confiança de que conseguiremos realizar o nosso objetivo. Se idealizamos algo e ao mesmo tempo alimentamos o medo de que não seremos capazes de conseguir o que queremos, estamos a boicotar o sucesso do empreendimento. Estamos criando duas idéias antagônicas, uma agindo para excluir a outra!

Enfim, estamos numa época em que a força do pensar já é conhecida de muitos e em que esta imensa e extraordinária energia está sendo estudada por cientistas e estudiosos. Quanto mais cedo tomarmos conhecimento disto, mais capazes seremos de construir para nós uma vida feliz.

É preciso sonhar com o bom, com resultados satisfatórios para nossos projetos, com um mundo mais feliz, mais justo, mais amoroso. Se nos encharcarmos, todos os dias, de pensamentos que negam tudo isto, dificultaremos muito a chegada de tempos de paz.

Podemos e devemos escolher que autores lermos, que canais e programas de TV assistiremos, que noticiário dos jornais queremos ler. Ou adoeceremos, vítimas de depressão, de síndrome de pânico, de estresse, de desânimo e tristeza crônica.

Somos os senhores de nossos pensamentos. Criamos a nossa realidade a partir deles. Vamos nos disciplinar a pensar apenas o que é bom e construtivo, mesmo vivendo em meio a tanta confusão de idéias, de níveis de evolução. Podemos sempre escolher, mesmo assim. No agora, vivendo alertas, devemos transformar o nosso padrão mental, pois queremos ser felizes! Vamos construir isto, a cada instante, imaginando o nosso ser inundado de luz divina e tudo que nos cerca imerso nesta mesma luz.

Quando feridos pela ignorância de alguém, vamos registrar que a pessoa está desequilibrada, mas que este mesmo desequilíbrio não precisa fazer parte de cada um de nós. Não sendo nosso, vamos em frente. Semeando esperança, alegria, paz, isto mesmo colheremos. Amando, seremos amados. Perdoando, nos libertaremos de teias perigosas que poderiam nos paralisar por um tempo enorme, junto a alguém que é, antes de qualquer coisa, uma ser necessitado de nossa prece e de nossa boa vibração.

Podemos criar pensando e vamos nos esforçar para que os pensamentos que cultivamos sejam leves, saudáveis, cheios de esperança e de amor. Um trabalho realizado no silêncio de nosso ser, que ninguém é capaz de perceber, mas que vale o esforço da mudança vibracional. Onde formos, sem nada falar, estaremos a iluminar. Abriremos caminhos mais fáceis para nós e para os outros e se muitas pessoas aderirem a este trabalho interior, a Nova Era se instalará entre nós, nos permitindo viver um tempo de muito Amor!

 


* digite o que você vê na imagem acima.
  • Newsletter

  • Yoga para Olhos

  • Consciência Próspera

  • Recentes

  • Páginas

  • Categorias

  • Jornal Alternativo

    CONTATOS:
    (11) 3063-1115
    jornalternativo@jornalternativonline.com.br