“Eu acampei diversas vezes no Franciscando do Edison Hiroshi e depois, já na Faculdade de Psicologia, fui monitor de vários acampamentos. Nem preciso dizer que sou fã até hoje do Franciscando e do Hiroshi, que com certeza me influenciaram em várias decisões da minha vida de adulto. Talvez até na escolha do meu trabalho, com Psicologia, Psicanálise, Transpessoal e Constelações Familiares e Organizacionais.”

Estou conversando com René Schubert e pelo início da conversa já senti que vamos nos entender muito bem, porque nós dois gostamos e admiramos muito o acampamento Franciscando e o Edison Hiroshi. Então, essa entrevista vai ser fácil.

Aproveito a experiência do René com as Constelações Familiares para tirar algumas dúvidas pessoais: por exemplo, pergunto eu, é comum mãe e filha, já de idades bem avançadas, não se darem bem (melhor dizendo, quase se detestarem)?

E ele responde: “É bem comum, sim, porque o homem se ‘desliga’ com facilidade da influência de pai e mãe, já na adolescência, mas com as mulheres a relação, basicamente com a mãe, continua durante muitos anos, chegando mesmo à idade avançada de ambas. E muitas vezes ambas não conseguiram curar suas crianças interiores e a relação até piora com a idade.”

(Agora entendo uma porção de críticas que minha mãe, com 92 anos, faz de pai e mãe, já falecidos, claro, “que só me exploravam quando eu era criança, e tinha que trabalhar para eles como se fosse uma empregada e adulta”.)

E o René me explica que não tem jeito de eu fazer uma Constelação para resolver ou minorar o problema de relacionamento de minha irmã com minha mãe. “Porque o problema é só delas e pode ter as razões mais variadas, que podem ser explicadas não só pelas Constelações Familiares mas pela própria Psicanálise.

“Por exemplo, o bisavô de uma pessoa pode ter tido um problema mais sério com sua esposa ou com um filho, e isso pode vir a afetar a vida do bisneto nos dias de hoje. Porque a família é sistêmica e tudo e todos estão ligados, física e emocionalmente, mesmo sem terem se conhecido.

“Como essas coisas entram no assunto de campos energéticos, a Constelação Familiar ainda não é devidamente reconhecida pelos conselhos de Psicologia. “Mas é, sem dúvida, uma ótima ferramenta complementar para muitos tratamentos psicanalíticos. Eu não uso a técnica no meu consultório, mas se percebo que ela pode ser útil para um paciente, então sugiro que ele participe de um dos meus workshops, ou de algum amigo que trabalha com a Constelação, porque pode ajudá-lo bastante.”

E René continua, dizendo que as empresas também são organizações sistêmicas, e problemas e desavenças entre funcionários muitas vezes criam problemas para a própria empresa.

“Por exemplo, um diretor briga com um gerente, este sai da empresa, mas o problema parece persistir, porque ninguém que entra no lugar do gerente demitido consegue se adaptar ao trabalho. E geralmente a Constelação Organizacional resolve o problema sem muitas dificuldades.

“Já na Constelação Familiar a pessoa constelada pode não resolver totalmente o problema que foi trabalhar, mas vai ter uma idéia mais profunda e completa do problema real (e aí ela pode trabalhá-lo sozinha), mas com certeza o problema familiar se interrompe nessa geração, e não vai continuar passando para as gerações seguintes.”

Como surgiu

As Constelações são uma abordagem fenomenológica terapêutica fundamentada nas descobertas do alemão Bert Hellinger.

Bert nasceu em 1925, na Alemanha, e formou-se em Filosofia, Teologia e Pedagogia. Como membro de uma ordem de missionários católicos, estudou, viveu e trabalhou durante 16 anos no sul da África, dirigindo várias escolas de nível superior. Posteriormente, aprofundou seus estudos e pesquisas, tornando-se psicanalista e, por meio da Dinâmica de Grupos, da Terapia Primal, da Análise Transacional e de diversos métodos hipnoterapêuticos desenvolveu sua própria Terapia Sistêmica e Familiar, traduzida para Constelações Familiares, no Brasil.

A Terapia utiliza representantes neutros para representar membros da família ou do grupo social do cliente e trabalhar um tema específico trazido por este. E o terapeuta procura averiguar se, no sistema familiar ampliado, existe alguém que esteja emaranhado nos destinos, escolhas, crenças… de membros anteriores desta família. Trazendo-se à luz os emaranhamentos, a pessoa consegue se libertar mais facilmente deles – ela passa a ter consciência do que age no seu sistema e a ter a opção da escolha sobre seu próprio destino.

Da mesma maneira como esta abordagem terapêutica tem trazido luz aos relacionamentos familiares, também tem sido útil para empresas e organizações, que por representarem um grupo organizado de pessoas, tornam-se um sistema. Por meio das constelações organizacionais se tornam visíveis soluções para um sistema com “problemas” organizacionais.

Alguns dos temas que comumente são abordados pelos constelandos/clientes em uma sessão individual ou workshop:

– Relacionamentos com familiares (pai, mãe, marido/esposa, filhos, avós, tios…);

– Acontecimentos familiares marcantes (adoções, perdas, doenças psiquiátricas, mortes precoces, assassinatos, suicídios, abortos, entre outros);

– Problemas de saúde (dores crônicas, obesidade, depressão, câncer, problemas cardíacos…);

– Envolvimentos com drogas, alcoolismo, tabagismo… e muitos outros.

Numa Constelação Familiar pode-se participar como cliente (constelando), que leva um tema específico para constelar, e como representante que esta à disposição para ocupar um lugar na dinâmica do sistema constelado, ou como simples observador.

René Schubert

 

Serviço: René Schubert é Psicólogo Clínico e Psicanalista, e tem formação em Equoterapia (terapia com a utilização de cavalos), e em Constelações Sistêmicas Familiares e Organizacionais (Brasil e Alemanha) e em técnicas e dinâmicas transpessoais. Para saber mais sobre o trabalho do René veja www.reneschubert.blogspot.com ou ligue para 11 5572-1349
(Participei uma vez de uma Constelação, como representante, é achei uma terapia maravilhosa).


* digite o que você vê na imagem acima.
  • Newsletter

  • Yoga para Olhos

  • Consciência Próspera

  • Recentes

  • Páginas

  • Categorias

  • Jornal Alternativo

    CONTATOS:
    (11) 3063-1115
    jornalternativo@jornalternativonline.com.br